BLOG DEDICADO AS MAMÃES E PAPAIS, QUEREMOS FAZER PARTE DA HISTORIA DO SEU FILHO.



QUEREMOS OUVIR E COMPARTILHAR SUAS HISTÓRIA, DUVIDAS E MOMENTOS DE FELICIDADES! E TAMBÉM AQUELAS HISTÓRIAS DE BAGUNÇAS E ARTES QUE NOSSOS FILHOS SEMPRE NOS SURPREENDEM E NOS FAZEM DAR MUITAS RISADAS.

ENVIE AS FOTOS DO SEU FILHO COM NOSSAS ROUPINHAS, ELE FARÁ PARTE DO "CORDEL DAS ESTRELAS".

sexta-feira, 7 de agosto de 2015


PREPARANDO O BEBÊ PARA OS ALIMENTOS

Somadas a grande alegria de receber uma nova vida no ambiente familiar, também começam as responsabilidades. E, sem sombra de dúvida, uma das principais é a alimentação. O momento de comer deve ser prazeroso, valorizado pela descoberta de sabores, além de uma oportunidade para interação da família!

1.    Precisamos falar sobre o leite materno? Sim. Sempre!
Até os 6 meses nada de sucos, água ou chazinho. Além da nutrição, imunização e um laço afetivo fortalecido, o alimento materno vai deixar muitas lições que permearão pelo resto da vida. Nada de pensar também que se a criança chora é porque está com fome de leite (existem outras razões também!). Obesidade infantil pode ser evitada também com a aplicação de rotina, estimulando a saciedade de forma saudável. Uma situação que muita gente esquece ou desconhece é que o bebê começa a descobrir os sabores ainda nessa fase, pois o leite difere conforme a dieta da mãe. Por isso, é fundamental a alimentação saudável e balanceada.

2.    Leite de vaca integral não substitui leite materno!
Se houver impossibilidade da amamentação, o pediatra deverá receitar a fórmula adequada, principalmente para o primeiro ano de vida do bebê. Se negligenciar essa fase tão importante, sequelas podem surgir para o resto da vida. Problemas cognitivos, prejuízo no crescimento, anemia, falta de proteção para infecções e vulnerabilidade para doenças crônicas são alguns exemplos.

3.    Chegou o sexto mês... E agora?
A dieta da criança passa por uma grande mudança a partir do sexto mês. É o período em que introduzimos as papinhas na rotina dos pequenos. Amasse com garfo e colher, peneire, raspe ou esprema na mão, pois o liquidificador tritura tudo, inclusive ingredientes importantes. Evite alimentos ácidos - laranja lima é melhor nessa fase. Frutas frescas, in natura e, de preferência, da estação são recomendadas.

4.    Para a criança tudo é novidade, então atenção a alguns detalhes!
Se houver rejeição, complete com o leite materno. Para os alimentos que podem ser peneirados, amassados ou cozidos estão: cereais ou tubérculos, leguminosas, hortaliças (verduras e legumes) e carne (vaca e frango). As sopinhas podem ser preparadas com batata, cenoura, caldo de músculo, cebola, sal e azeite. Pode-se também incluir outros legumes, folhas e carnes. Devido à sensibilidade da criança, é imprescindível utilizar alimentos frescos e tomar cuidado com o excesso de sal, além de evitar temperos picantes (pimenta por exemplo). Óleo vegetal deve ser usado em menor quantidade. Utilizar peneiras diferentes (espaçamentos diferentes no entrelaçamento), de acordo com o alimento, também faz diferença.

5.    Água e suquinho no copo são uma ótima pedida!
Água e sucos naturais são recomendados ao bebê nessa fase também. 100 ml por dia no máximo! Sirva no copo para evitar confusão com os bicos. Sucos cítricos (limão, laranja, morango, kiwi e pera são exemplos) são recomendados após as refeições, pois assim melhora a absorção de ferro. Jamais substitua o consumo de sólidos por bebidas! E, para a sede, sempre dê água e não o suco!

6.    Raspou o prato? Haja naturalmente.
Comer tudo, de forma adequada, não merece prêmio e deve ser encarado como naturalidade. O começo é difícil, gera stress na criança e nos pais, mas com paciência logo essa fase passa. Lembre-se: pais nervosos e estressados, crianças nervosas e estressadas. Paciência, adotar uma rotina, com um local calmo para as refeições, contribuirá para o sucesso da empreitada.

7.    Separando os alimentos e fugindo da rotina

A partir do nono mês , gradativamente, o bebê deve passar para a rotina de alimentação da família, apenas com o ajuste na consistência do alimento. Não precisamos nem dizer que comer lasanha o tempo inteiro, beber refrigerante todo dia, sanduíche e pizza várias vezes por semana são péssimos hábitos para a saúde. Por isso, variar os pratos é muito importante. Separar os alimentos para apreciar a diferenciação de sabores e deixar que o bebê sinta o aroma da comida, tornará o momento ainda mais prazeroso.