BLOG DEDICADO AS MAMÃES E PAPAIS, QUEREMOS FAZER PARTE DA HISTORIA DO SEU FILHO.



QUEREMOS OUVIR E COMPARTILHAR SUAS HISTÓRIA, DUVIDAS E MOMENTOS DE FELICIDADES! E TAMBÉM AQUELAS HISTÓRIAS DE BAGUNÇAS E ARTES QUE NOSSOS FILHOS SEMPRE NOS SURPREENDEM E NOS FAZEM DAR MUITAS RISADAS.

ENVIE AS FOTOS DO SEU FILHO COM NOSSAS ROUPINHAS, ELE FARÁ PARTE DO "CORDEL DAS ESTRELAS".

domingo, 13 de setembro de 2015

7 DICAS PARA PREPARAR A CRIANÇA PARA A CHEGADA DO IRMÃOZINHO

"Ter filho é tudo". Quem é pai ou mãe e já ouviu alguém falando assim sabe a força dessa expressão. De fato, quando nasce o primeiro filho, a vida muda completamente e, inevitavelmente, a criança se torna o centro das atenções dos pais, avós. além de familiares e amigos. É lógico que ela se acostuma com isso e ficaria difícil dividir esse status com outro alguém. Para muitos, seja de forma planejada ou inesperada, apesar da grande alegria, a chegada do segundo filho também traz novas dúvidas e incertezas da paternidade.

"Como vou preparar o meu pequeno?", "Como posso explicar para a minha princesa que vem outra princesinha também para a nossa casa?" ou "Como vou fazer com que meu filho veja tudo isso de uma forma positiva?". São tantas as questões, que se não houver preparação e diálogo, o caminho pode ser bem mais difícil para o bom convívio de ambos. Por isso, preparamos 7 dicas para ajudar a família neste momento tão especial:

1) Pais confiantes
Quem deve tomar a liderança são os pais. Por mais que pareça óbvia essa afirmação, com o cotidiano e cansaço do dia a dia, muitos se deixam levar pelo ritmo das situações e das manhas dos filho maior. Não pense que ele vai gostar da ideia de ter outro bebê em casa logo de início. Durante a gravidez, incentive a criança a fazer carinhos na barriga, a conversar com o bebê na gestação, passando a ideia de que a mamãe conta com sua ajuda para cuidar e ensinar as coisas. Explique vai amar ambos de forma igual, que o amor não vai diminuir e certifique-se que o seu pequeno se sinta mais seguro sobre esse processo de mudança. Demonstrar quando o bebê chutar na barriga porque está feliz com a presença do irmãozinho também ajuda.

2) Preparativos
Faça com que o mais velho chegue no quarto antes da chegada do bebê. Isso vai ajudá-lo a se sentir mais seguro e acolha ao invés de "ser acolhido" por chegar por último. Para sair a mesma coisa, providencie que o bebê saia primeiro, pois assim o mais velho sentirá que sua presença tem força no ambiente. Faça esforço para demonstrar grande alegria quando os dois se encontrarem pela primeira vez!

3) Incentive a participação
Muitas vezes a criança quer ajudar nos cuidados com o bebê. Valorize essas iniciativas. Permita o auxílio ao levar uma fralda suja no lixo, trazer a chupeta, pegar uma troca de roupa, entre outros pequenos favores. Elogie dizendo que sente orgulho por ele se comportar assim e que conta com ele para ajudar a tomar conta por ser o mais velho.

4) Evite reaproveitar tudo
Não importa se você já tem filhos ou não. A chegada de um bebê sempre exigir um pouco de investimento em fraldas, utensílios de higiene, roupinhas, preparação do ambiente, entre outros. Por isso, a medida do possível, evite dar tudo que era do mais velho ao outro. Assim a criança mais velha não sente tanto que está perdendo coisas e nem o mais novinho daqui um tempo vai pensar que só ficou com as "sobras".

5) Chame reforço
Nos primeiros meses de vida, a atenção dos pais, avós, tios, familiares e amigos com o mais velho pode aliviar essa carga. Eles não vão adivinhar que a mamãe precisar de ajuda, então a mãe não deve ter receio de pedir apoio para dar atenção ao pequeno, pois o recém-nascido já está sob cuidados especiais!

6) Atenção é tudo
Se o filho mais velho quer contar algo, por mais que o cansaço esteja latente, é importante dar atenção. Os primeiros meses da vida de um bebê exigem muito esforço, o sono é comprometido, mas o mais velho não pode sentir que "meus pais estão sempre cansados para mim" ou "eles não gostam mais de mim".

7) Converse com seus filhos
Graves problemas familiares acontecem por falta ou falha na comunicação. Procure prestar atenção em seus filhos. Ao menor sinal de tristeza, insegurança ou raiva procure entender os motivos e ajudar a resolver a situação. Problemas que são tratados desde os primeiros anos de vida dificilmente se tornam enormes transtornos na adolescência e vida adulta. Na dúvida, converse, converse e converse de novo!

Cada família tem o seu ritmo e jeito certo para fazer as coisas. Em muitas situações, a intuição é que vai prevalecer. O mais importante é estar ciente sobre a necessidade de demonstrar o amor a ambos, respeitando suas individualidades e, principalmente, valorizando como é maravilho ter um irmão compartilhando o amor da família. Deixe claro que sempre haverá o espaço de cada um no coração do papai e da mamãe e que, acima de tudo, irmãos devem ser unidos.